Cuidado com as hastes flexíveis – Atençao com o uso dos Cotonetes

0
1.606 visitas

Cuidado com as hastes flexíveis

Produto esconde riscos e pode prejudicar a saúde de seus ouvidos. E nem todas as marcas são iguais.

Especialistas alertam: uma inocente limpeza dos ouvidos pode provocar lesões. Quando utilizadas de forma incorreta, as hastes f lexíveis (também conhecidas como cotonetes) podem ocasionar desde um processo inflamatório do canal auditivo externo até sensação de eco ou mesmo a perda temporária da audição. Mesmo com a recomendação dos otorrinolaringologistas, o brasileiro não abre mão das hastes flexíveis para a higiene do ouvido e, apesar de não recomendarmos o uso deste produto para este fim, realizamos um estudo com as marcas mais vendidas no mercado nacional para identificarmos os produtos mais confortáveis. Comoeste estudo consiste em um painel de usuários, ou seja, reflete a opinião de um grupo, não indicamos o melhor do teste, nem a escolha certa.

Alguns produtos apresentam problemas
Na análise dos rótulos, os mais completos são os das marcas Extra e Pão de Açúcar. Todos os produtos continham as informações que consideramos necessárias (validade, lote, composição, advertências, modo de uso e contato para atendimento ao consumidor). Cotonetes e Farmais Baby não indicavam o modo de conservação e utilizavam letras pequenas na embalagem, dificultando a leitura. Topz, Palinetes e Turma da Mônica, por sua vez, não indicavam se o material da embalagem é reciclável.

No teste de uso das hastes, realizado com os voluntários, a quantidade de algodão do produto Pão de Açúcar foi considerada insuficiente, uma vez que a haste machucou algumas pessoas. Extra, Cotonetes, Palinetes e Turma da Mônica foram considerados macios, com algodão suficiente. Poucos voluntários relataram desprendimento do algodão, por isso os produtos receberam “bom” e “muito bom” nesse item. Na análise de flexibilidade da haste, a da Topz se mostrou muito dura – o que pode proporcionar um acidente na hora do uso. Palinetes e Pão de Açúcar foram consideradas muito moles, o que dificulta o uso.

Extra, Turma da Mônica e Palinetes se destacaram quanto à qualidade geral. Com base no preço de referência, constatamos que o Turma da Mônica, segunda classificada no estudo, é um dos mais baratos. Os mais apreciados (76% dos voluntários comprariam) foram Extra e Turma da Mônica. As menos apreciadas foram Pão de Açúcar (29% comprariam) e Topz (38%).


Hastes flexíveis podem ser úteis para a limpeza, aplicação de produtos e secagem de orelhas e umbigo após o banho. Mas não são recomendadas para a limpeza dos ouvidos


Entrevista

Dr. José Eduardo Dolci Professor Titular e Chefe do Departamento de Otorrinolaringologia da Santa Casa de São Paulo


“Cera não é sujeira. É proteção.”

Usar este tipo de produto faz mal?
Sim, a haste é prejudicial à saúde do ouvido. A limpeza constante ou mesmo esporádica retira a camada protetora que possui substâncias que ajudam a combater bactérias, fungos e vírus. A presença de cera não significa, em hipótese alguma, sujeira nos ouvidos.

Qual a melhor forma de limpar os ouvidos?
Na verdade, a melhor forma é não limpar dentro do canal auditivo externo, apenas externamente na orelha, com toalha ou gaze.

Devemos ter cuidados diferentes com as crianças?
Não, os cuidados e orientações são os mesmos, salientando que não é recomendado o uso de hastes flexíveis para limpar os ouvidos de bebês ou crianças maiores.

O que fazer quando entra água nos ouvidos?
A princípio, a água não deve trazer qualquer transtorno, pois ela entra e sai sem desconforto. Porém, se o canal auditivo estiver com cera, ela irá se expandir ao entrar em contato com a água e tampar os ouvidos. Basta, apenas, aguardar a evaporação da água e, caso isso não ocorra, procure a ajuda do médico otorrinolaringologista, que, com procedimentos simples e corretos, resolverá o problema.


Motivos para não usar

Um problema bastante verificado nos consultórios por conta do uso de hastes flexíveis é a otite média, uma infecção causada por micro-organismos que podem ser transportados pela haste. Em alguns casos, pode haver perfuração da membrana do tímpano, causando sangramento e lesões graves na região, como a surdez parcial.

Entre os modelos disponíveis no mercado,existe uma opção para o uso infantil (Farmais Baby) com formato diferenciado e mais algodão. Por conta de seu design, este produto não pode ser introduzido no canal auditivo, o que tecnicamente ajuda a evitar acidentes. Os voluntários que participaram deste estudo também testaram este modelo, que, por ser diferente dos demais produtos avaliados, não participa da tabela de avaliação. Os produtos Turma da Mônica e Topz (Pucca), que avaliamos no teste, também possuem apelo infantil, mas não apresentam a segurança do Farmais Baby.

A marca Farmais Baby foi muito bem avaliada para finalidades como remoção de maquiagem e secagem do ouvido e umbigo após o banho. Porém, o produto não foi bem avaliado pelos voluntários para sua função original – a limpeza do ouvido -, o que indica que os voluntários que participaram do teste limpam o ouvido de forma errada. Por isso, avalie os riscos em consumir este tipo de produto; se for inevitável, use-o com atenção.

Artigos Relacionados:

  • Related posts on Saúde
  • Saúde de qualidade uma luz no fim da fila da UTI « VINOBLOK
  • Blog do Raimundo Garrone » Roseana Sarney abandona a saúde de

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar!
Digite seu nome!