Como Utilizar o Google Analytics – Tutorial Completo – Parte 4/6

0
1.295 visitas

Vou deixar para a parte final deste tutorial a explicação sobre funil, pois acho que o assunto é uma das melhores formas de tomar decisões com relação a conversões no seu site. Nesta edição, vamos falar sobre o criador de URL do Google.

Imagine que você trabalhe numa empresa e deseja fazer uma propaganda num site segmentado para o público-alvo de seu negócio. Dependendo do site onde você for fazer o anúncio, esse veículo coloca o banner para rodar em um AdServer.

O AdServer é basicamente um sistema que gerencia todos os banners que vão aparecer no veículo. No mercado, temos alguns bons fornecedores: a Predicta possui o Predicta Maestro; a ÚNICA possui o Atlas; e o Google – não tem muito tempo – comprou a Double Click e com isso adquiriu o DART (famoso AdServer usado por vários veículos no Brasil). Algumas empresas representam o DART. No Rio de Janeiro, você tem a Hi-midia, mas acredito que existam outras. Além disso, há outros fornecedores de AdServer.

A forma de cobrança dessas ferramentas é por CPM.
Veja um exemplo: você vai colocar um banner no UOL (webventure) e o veículo (UOL) promete entregar 250 mil impressões desse formato. No caso do UOL, eles já usam o DART, da Double Click, mas caso você não queira acreditar nos números dos veículos, embora eles sejam auditados, você pode contratar outra tecnologia para gerenciar essa peça. No caso, usando o Maestro ou o Atlas como solução, você pode ter mais controle de suas campanhas e, na maioria das vezes, ainda recebe uma grande ajuda de profissionais de mídia dentro dessas empresas. Algo como uma consultoria. Mas como a Predicta e a ÚNICA cobrariam por isso?

Normalmente, essas empresas cobram um CPM extra. Imagine que o UOL cobrou um valor de 25,00 por CPM. Ou seja, a cada mil impressões de seu banner, o UOL cobra o valor de 25,00. O fornecedor de AdServer cobraria um valor extra para cada CPM gerenciado.

O valor real depende da relação que você tem com a empresa, mas gira em torno de R$ 0,35 e 0,50. Dependendo da negociação, você consegue pagar até menos. Sim, eu também não acreditei quando recebi uma proposta a primeira vez que precisei de um serviço como esse. O que mais me assusta é que tem muito anunciante “mão de vaca” que não quer pagar esses centavos para ter mais controle de sua campanha.
No exemplo anterior, se os fornecedores citados cobrassem 0,50 para gerenciar sua peça, isso significaria pagar 6.250,00 (250 x 25) ao UOL e mais 125,00 ao fornecedor de AdServer. Se você pretende trabalhar com um AdServer – e eu acho “economia porca” não usar -, o ideal é entrar em contato com os fornecedores e negociar com eles, ok? Abaixo, vemos um print de tela do DART, da Double Click, para um super banner veiculado no Webinsider.

Acima, os números de um dia de campanha e abaixo um relatório mais voltado para os anúncios, que lá fora eles chamam de criatives.

Repare que, dos três banners que estão sendo veiculados, somente um teve clique. Os outros até apresentaram impressão, mas não tiveram cliques. Caso a empresa onde você trabalhe não queira usar um AdServer, você pode acompanhar o número de cliques de seus banners usando, por exemplo, o criador de URLs do Google (http://tinyurl.com/6znun9). Os links de campanha consistem em um endereço URL, seguido de um ponto de interrogação e das variáveis de sua campanha.

A imagem anterior mostra a página onde você pode gerar URLs personalizadas para suas campanhas. Na etapa 1, em “URL do site”, você escreve a URL normal do site ou hotsite da campanha. Ou melhor. Você escreve a URL da página de destino (landing page). Na etapa 2, você preenche com a origem da campanha (pode usar o nome do veículo nesse item), mídia da campanha (aqui você pode dizer qual o formato do anúncio), termo da campanha (aqui, caso esteja usando link patrocinados, você pode identifi car as palavras-chave), conteúdo da campanha (esse é um bom ponto para fazer teste A/B para seus anúncios) e no último, nome da campanha, você pode escrever o nome da sua campanha para depois fazer a análise no Google Analytics.

Depois de preencher todas essas informações, ou as informações que você achar mais importantes, você deve clicar no botão “Gerar URL”, na etapa 3. Veja o print abaixo com os dados preenchidos, como se fosse fazer um acompanhamento de um banner do Encontro de TI no site TIMaster.


A URL completa fica assim: http://www.encontrodeti.com.br/site/?utm_source=timaster&utm_medium=superbanner&utm_content=bannera&utm_campaign=eventodeti.
Você pode usar essa ferramenta/URL gerada em qualquer tipo de campanha. De banner a links patrocinados e, inclusive, pode usar também para ações de mídias sociais, mas tome cuidado: no Orkut, por exemplo, você precisaria colocar essa URL demonstrada acima visível e muitos usuários poderiam achar que é um vírus e não clicariam no seu link.
Mas a pergunta que você deve estar fazendo é: como esses resultados aparecem nos relatórios do Google Analytics? Você deve ir em “visitantes”, “fontes de tráfego” e depois clicar em “campanhas”. Ao lado, vão aparecer as informações de performance das suas campanhas, sejam elas campanhas de banner, links patrocinados ou outro formato que você esteja mensurando. Repare no item “dimensões”, pois ali você pode fazer análise pelos outros itens inseridos na URL que você gerou.


Veja que, no exemplo acima, eu selecionei uma análise por conteúdo do anúncio e o relatório mostrado é outro.

Se você deseja fazer um acompanhamento mais detalhado e consistente, use o AdServer, mas caso não consiga convencer os gestores de sua empresa a investir em um, essa opção pode judar a mensurar campanhas on-line.

Outro bom uso dessas URLs é quando você estiver fazendo anúncios no Yahoo Search Marketing ou UOL Link. Você pode ter um relatório comparativo de performance de três dos principais players de Sponsored Links no Brasil.
Caso use os dois (AdServer e Ferramenta de URLs), pelo amor de deus, não compare os números do AdServer com os números do Google Analytics! Ou, pior ainda: não compare performance de banner com performance de links patrocinados. São formatos diferentes e, com isso,
os objetivos também são diferentes.

Além disso, de maneira geral, não devemos comparar duas ferramentas de web analytics. Essas ferramentas são softwares, sistemas, e cada um é
implementado de uma forma, ou seja, é bem provável que os números sejam diferentes. Se você não quiser ficar maluco, escolha a melhor solução para a sua empresa e depois analise os números só por ferramenta que você escolheu, ok?

Outra dica importante é que o Google não dá suporte ao Google Analytics, mas ele indica empresas no Brasil que são parceiras e que podem oferecer essa consultoria a quem interessar (eu indico). No Brasil, temos a Cadastra, a MídiaClick e a Mídia Digital. A lista completa está disponível em: http://tinyurl.com/suporteparceiros.
Até o próximo artigo!

Artigos Relacionados:

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar!
Digite seu nome!